AMO aprova moção sobre o estado da saúde Na sessão ordinária de 28 de dezembro de 2021, no período antes da ordem do dia, destinado às intervenções de interesse local ou declarações políticas gerais, o membro da AMO, Orlando Cavaco, presidente da Junta de Freguesia de Urqueira, apresentou, em nome do Grupo Municipal do PSD, uma moção que recebeu acolhimento de todo o plenário.

Moção

"O Serviço Nacional de Saúde (SNS) atravessa hoje o seu pior momento desde que foi criado, no longínquo ano de 1979. 

Hoje, há mais de um milhão de portugueses sem aceso a um médico de família, há milhares de pessoas que esperam e desesperam por uma consulta de especialidade, por uma cirurgia, por um simples exame complementar de diagnóstico. 

A maioria da população tem receio de ficar doente e de não ter uma resposta a tempo e horas da parte do SNS. Os profissionais de saúde estão desmotivados, saem do SNS cansados e desesperados pela falta de incentivos e de reconhecimento. 

E tudo isto acontece numa altura em que temos a mais alta carga fiscal de sempre. Estamos a pagar mais impostos como nunca antes pagamos e, em troca, temos um Serviço Nacional de Saúde à beira do caos e sem rumo.

Também no concelho de Ourém as nossas populações estão a sofrer diariamente com a degradação acelerada e assustadora do SNS. Há mais de dez mil pessoas sem médico de família, o Centro de Saúde de Ourém funciona sem meios humanos e materiais e os Centros Hospitalares do Médio Tejo e de Leiria não têm capacidade para responder às sucessivas solicitações e os serviços de urgências estão frequentemente superlotados. 

A Câmara Municipal de Ourém não tem competências nesta área para resolver estes problemas, mas já manifestou junto do Ministério da Saúde as suas preocupações e reivindicou a vinda de mais médicos de família, tendo, inclusive, já investido este ano 700 mil euros na requalificação das Extensões de Saúde do Sobral, Alburitel e Olival.

E para 2022 está prevista a conclusão da requalificação da Extensão de Saúde de Rio de Couros, no valor estimado de 160 mil euros e o início da construção do Centro de Saúde de Caxarias no valor aproximado de 1 milhão de euros. 

A concentração de serviços, encerrando, para tal, várias Extensões de Saúde, como é surpreendentemente defendido pelo Partido Socialista de Ourém, desconhecendo a realidade das freguesias e das suas gentes, não é a solução mais adequada e justa para uma população envelhecida e com problemas de mobilidade.  

A Assembleia Municipal de Ourém deve ter também um papel importante nesta matéria, e não pode assistir passivamente à deterioração do acesso à saúde no concelho.

Assim, perante esta redução preocupante e inaceitável da prestação de cuidados de saúde por todo o concelho, afetando milhares de munícipes, a Assembleia Municipal de Ourém delibera:

- Manifestar a sua preocupação pela degradação contínua do SNS e que está a prejudicar gravemente a população; 

- Exigir mais médicos de família para o concelho de Ourém e melhores condições no acesso à saúde.    

- Remeter esta Moção para:

  •   ACES do Médio Tejo; 
  • Conselho Intermunicipal do Médio Tejo; 
  • Assembleia Intermunicipal do Médio Tejo; 
  • Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo;
  • Grupos Parlamentares;
  • Ministério da Saúde;
  • Presidência da República.    

 
O Grupo Municipal do PSD

Ourém, 28 de dezembro de 2021"